sábado, 27 de agosto de 2011

DPT identifica servidores responsáveis por filmar corpo de Kelly Ciclone no IML

A corregedoria do Departamento de Polícia Técnica (DPT) concluiu nesta sexta-feira (26) o inquérito administrativo que apontou dois servidores como responsáveis por filmar o corpo de Kelly Ciclone no Instituto Médico Legal (IML) Nina Rodrigues. Segundo informações do DPT, a identificação dos servidores não pode ser divulgada por conta da não conclusão do inquérito policial.
Ainda segundo o DPT, só com a conclusão o inquérito policial que as medidas cabíveis serão tomadas em relação aos servidores.
O vídeo que mostra o corpo de Kelly foi postado no dia 27 de julho por um usuário no site Youtube. Nas imagens, o corpo de Kelly aparece em uma maca dentro do IML, com as roupas com que ela foi assassinada, aparentemente antes da necropsia. A filmagem dura pouco menos de 2 minutos.

Processo
A família de Kelly considerou a atitude “uma falta de respeito” e pretende processar o Estado. “Quando a gente acha que está ficando melhor, vem uma bomba dessas. Essa não é a imagem que a gente gostaria de guardar de minha filha. Ela não teve paz em vida e não estão deixando ter nem depois de morta”, lamentou a mãe de Kelly, a comerciante Maria Aparecida da Silva.
“Já falei com meu advogado e a gente vai entrar com uma ação contra o Estado. Lá, só quem tem acesso é funcionário do IML, como é que permitiram fazer um negócio desses? Quem fez isso foi uma pessoa sem caráter”, complementou a mãe.

Vida no crime
Kelly Sales Silva ficou conhecida após ser presa em fevereiro de 2010 na festa do pó, na Boca do Rio. Com inúmeras tatuagens - coelho da Playboy, de Chucky, o brinquedo assassino, um dragão que cobria toda a perna e um 'Vida Loka' no cóccix - não se intimidava em postar fotos segurando armas em seu perfil na rede social orkut.

A “lokura” começou com o desfecho trágico de seu primeiro namoro, com Anderson, 17, de quem estava grávida. Depois do fim do namoro, Anderson se suicidou tomando veneno de rato. “Kelly estava com 16 anos e seis meses de gravidez e só falava que ia se matar. Encontramos chumbinho na gaveta dela”, lembrou a irmã Carla Sales, 24.
Kelly começou a ter visões, inclusive jogando o filho pela janela. O garoto tem 5 anos. Nessa época, ela deixou de ser Kelly Sales Silva para se transformar em Kelly Doçura. “Eu namorava com Bombado Doçura, percussionista do Saiddy Bamba, que agora tá no Báck, por isso o apelido”, lembrou à época de sua prisão em 2010. Foi após namorar com o músico que ela ganhou o apelido de Kelly Doçura. Bombado não revelou se Kelly é a chapeuzinho vermelho que inspirou a música Lobo Mau.

Do batuque do pagode, Kelly foi para os pipocos do “berro”. Aos 17 anos ela conheceu e se apaixonou pelo traficante Sidnei Ferreira, que atuava no Garcia, onde os dois moravam. O amor que sentiu por Sidnei foi gravado em seu corpo, em uma tatuagem com o nome do traficante no punho direito. “Sidnei foi o amor da minha vida. Não comando tráfico. Nunca me meti nas coisas dele”, contou Kelly em 2010. Ele foi morto por um policial à paisana há três anos em um assalto a ônibus na Garibaldi.O corpo de Kelly foi enterrado no dia 18 de julho no Cemitério de Portão.
Fonte: Correio

http://pmsemcensura.blogspot.com/2011/08/desfecho-kelly-ciclone-dpt-identifica.html#more


canal youtube 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.