quinta-feira, 20 de outubro de 2011

JUÍZES E DELEGADOS DE PATOS E CATOLÉ DO ROCHA/PB CRIAM PLANO DE SEGURANÇA CONTRA AMEAÇAS.


Juízes, delegados das Polícias Civil e Federal e representantes da Polícia Militar e de direções de presídios do Sertão paraibano elaboraram um plano de segurança para as cidades de Patos e Catolé do Rocha, onde as autoridades dizem estar recebendo ameaças de morte.
O clima de tensão se estabeleceu nas cidades depois da realização da operação Laços de Sangue, que resultou na prisão de 17 suspeitos de integrar grupos de pistoleiros comandados por famílias rivais.

O Plano Integrado de Segurança é composto por 15 ações e foi definido na segunda-feira (17) durante reunião no Fórum Miguel Sátyro, em Patos. Entre as iniciativas estão barreiras nas estradas e uma 'força-tarefa' para agilizar as investigações e a conclusão dos inquéritos. Os detalhes operacionais não foram revelados à imprensa. Segundo o juiz Antônio Silveira Neto, presidente da Associação dos Magistrados, as pessoas que receberam ameaças terão segurança reforçada. "Haverá ainda maior integração entre os órgãos de investigação e o próprio Poder Judiciário, com vista a imprimir maior eficiência nos processos criminais", explicou. Já o coronel José de Almeida Rosas, comandante do 3º Batalhão de Patos, garantiu que o esquema não ficará restrito à proteção das autoridades, mas também servirá para a população em geral. "Serão realizadas operações em prol da comunidade e das pessoas envolvidas nesta operação", afirmou. Conforme a Polícia Civil, depois da operação, uma juíza disse ter sido seguida quando voltava do trabalho para casa. Ela retornou ao fórum e solicitou acompanhamento policial. A polícia também investiga a ligação entre as ameaças de morte supostamente feita por pistoleiros com o atentado sofrido pelo diretor da Penitenciária de Segurança Máxima de Patos, Estênio Dantas.Na terça-feira (18), o Estado determinou a abertura de uma sindicância para apurar as causas da morte de um dos suspeitos presos na operação. Marcelo Vieira Batista foi vítima de um incêndio dentro do presídio de Patos.

Recentemente o Portalpatos.com denunciou, com exclusividade, uma perseguição a uma juíza, que não teve a identificação revelada, por dois homens até o momento não identificados pela polícia ao sair do local de trabalho. O assunto levantou polêmica em todo o estado.Informações apontam que ao perceber que estava sendo seguida, a magistrada despistou os dois desconhecidos, retornou seu carro ao local de trabalho e pediu proteção policial. Ao ser acompanhada por Policiais Militares, a vítima não mais conseguiu localizar os indivíduos.
fonte: alosertao/adaptação: Portalpatos via qthdanoticia.blogspot.com

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.