segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Encontrado corpo de empresário desaparecido; Acusado escondeu o corpo na casa que iria morar com a esposa na Ramadinha em Campina Grande/PB


Um empresário foi morto por conta da negociação de venda de um automóvel em Campina Grande. De acordo com informações da polícia, o crime aconteceu na terça-feira (21), mas só foi elucidado no domingo (26), quando o suspeito foi preso e confessou o homicídio. Vítima e suspeito discutiram dentro do veículo e o comprador, que estava na direção, colocou uma arma na cabeça do vendedor, atirando próximo ao ouvido da vítima. O suspeito está preso e vai ser indiciado por homicídio duplamente qualificado, ocultação de cadáver, furto e porte ilegal de arma.


Suspeito teria cometido o crime dentro do carro da vítima e continuado a usar o veículo após o homicídio. (Foto: Diogo Almeida/G1)
De acordo com o depoimento do próprio suspeito, os dois discutiram por conta do valor do veículo: enquanto a vítima cobrava R$ 15 mil e só fechava o negócio com pagamento a vista, o suspeito só tinha R$ 13 mil. "No meio da discussão, ele contou que perdeu o controle e colocou a arma por trás do banco, no espaço abaixo do encosto da cabeça do passageiro onde a vítima estava sentada, e atirou", explicou o delegado Antônio Lopes.

O delegado explica que a arma ainda teria falhado em uma primeira tentativa e que a vítima questionou o barulho do gatilho. O suspeito então teria atirado novamente e na segunda vez a arma funcionou.

Ao atirar e perceber que o homem havia morrido, o suspeito se desesperou e dirigiu por algum tempo pelas ruas da cidade sem saber o que fazer com o corpo no banco ao lado. Só então ele decidiu levar o corpo para uma casa no bairro da Ramadinha, que havia sido alugada em dezembro para ele morar com a futura esposa, já que ele estava programando o casamento, mas ainda estava vazia. A vítima foi deixada na sala da casa e, na quarta-feira (22), já com instrumentos adequados, o suspeito voltou ao local para enterrar o corpo no terreno.
Suspeito negou duas vezes antes de confessar
Suspeito teria cometido o crime dentro do carro da vítima e continuado a usar o veículo após o homicídio. (Foto: Diogo Almeida/G1)
A polícia já investigava a possibilidade de que
havia sido um homicídio (Foto: Diogo Almeida/G1)
Segundo informações da polícia, o suspeito já havia sido interrogado duas vezes no período entre a quarta-feira e o domingo, pois tinha sido a última pessoa vista com o empresário. "Ele informou nas duas situações que de fato tinha um encontro marcado com o vendedor, que estava com o dinheiro em mãos para fechar o negócio, mas que não tinha conseguido contato por telefone", disse o delegado Antônio Lopes.
O caso foi elucidado a partir da denúncia de que o veículo tinha sido visto na estrada que liga Campina Grande a Queimadas, próximo da entrada do distrito de Ligeiro. A família já havia denunciado o desaparecimento do empresário e foi orientada pela polícia, que passou a cogitar o crime de homicídio, a informar caso o veículo fosse visto.
"O veículo foi localizado por uma testemunha que comunicou à polícia, em seguida foi feita uma blitz e conseguiu-se abordar o suspeito", explicou a delegada Maíra Roberta. O homem foi preso inicialmente por porte ilegal de armas e foi levado para a Delegacia de Homicídios onde, depois de três horas de interrogatório, acabou confessando o crime.
A polícia fez uma perícia na casa e no veículo e encontrou vestígios de sangue, inclusive da entrada da casa até o local onde o corpo foi encontrado. O corpo foi levado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal de Campina Grande (Numol), onde ainda está passando por perícia, mas a polícia já informou que a bala continuava alojada no corpo. Ela vai passar por um exame de balística para identificar se foi deflagrada da arma que estava com o suspeito na hora da prisão.
fonte: http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2014/01/empresario-e-morto-em-briga-por-preco-de-veiculo-na-pb-diz-policia.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.