segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Médico procurado por Estelionato no Paraná é preso na Paraíba na saída da igreja onde o mesmo era Pastor.

Um médico de 45 anos foi preso na noite de domingo (26), em João Pessoa, suspeito de estelionato no estado do Paraná. De acordo com a Polícia Militar, a prisão aconteceu em cumprimento a um mandado de prisão expedido pela Justiça paranaense. Ainda de acordo com a polícia, o médico é suspeito de produzir medicamentos caseiros para vender a pacientes que apresentavam doenças de pele.
A prisão aconteceu quando o médico saía de uma igreja evangélica na Avenida Epitácio Pessoa, onde também é pastor. Conforme investigação do Ministério Público do Paraná, o médico vendia os medicamentos que ele mesmo fabricava por valores que variavam entre R$ 6 e R$ 10 mil. Os pacientes que compraram a medicação tiveram o quadro clínico agravado, segundo o MP.
O mandado foi expedido em julho de 2013 e tinha validade até o ano de 2015, de acordo com a polícia. O tenente Henrique Araújo, da Polícia Militar, explicou que o médico trabalhava no Samu em João Pessoa desde 2013, vindo do estado vizinho do Rio Grande do Norte.

“O registro dele da profissão foi cassado, ele recorreu ao STF, pediu transferência do registro para o Rio Grande do Norte e depois para a Paraíba. Durante os levantamentos para tentar localizá-lo, foram constatadas mais de quatro mudanças de endereço que ele fez aqui [em João Pessoa]”, informou o oficial.

O médico foi levado para a 12ª Delegacia Distrital (DD), no bairro de Manaíra, onde foi confirmado que ele responde pelos crimes de estelionato e exercício da profissão de médico sem autorização legal. Segundo o delegado Diego Garcia, plantonista da 12ª DD, o suspeito foi encaminhado para Central de Polícia, no bairro do Varadouro, na capital paraibana onde aguardará uma resposta sobre a transferência para o estado onde era procurado.
fonte: G1PB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.