domingo, 15 de junho de 2014

Motivos de quem se suicida. O suicida treina antes de morrer para que tudo dê certo.

As causas do suicídio sempre foram um enigma para médicos, psicólogos e pesquisadores interessados em comportamento. A auto-preservação é um dos maiores instintos humanos, logo, a coragem de cometer suicídio deve ser ainda mais forte. Mas o que motiva essa coragem?

Há mais ou menos um século, tanto o sociólogo Émile Durkheim, quanto o psicanalista Sigmund Freud apresentaram algumas explicações.

Durkheim, não surpreendentemente, viu as causas do suicídio em fatores sociais, como por exemplo, a incapacidade que uma pessoa tem de se integrar na sociedade, enquanto Freud enraizou sua explicação em impulsos instintivos, especialmente no que ele chamou de Instinto de Morte. Explicações mais recentes têm tendência a concentrarem-se em fatores como depressão, desesperança e dor emocional, mas nenhuma delas teve muito sucesso na resposta à pergunta fundamental sobre o suicídio: por que algumas pessoas se matam, enquanto outras continuam vivendo em circunstâncias idênticas?

Os pesquisadores detectaram, por exemplo, que o índice mundial de suicídios está cada vez maior. O suicídio é a segunda principal causa de morte em pessoas entre 15 e 24 anos, vindo atrás de acidentes de carro. As mulheres são mais suscetíveis do que os homens a tentar suicídio, mas eles têm muito mais probabilidade de êxito.

As pessoas que cometem suicídio normalmente estão tentando fugir de uma situação da vida que lhes parece impossível de enfrentar. Muitas pessoas que tentam suicídio estão buscando alívio por:

>> Sentirem-se envergonhadas, culpadas ou por serem um peso para os demais
>> Sentirem-se vítimas
>> Sentimentos de rejeição, perda ou solidão
>> Os comportamentos suicidas podem ser causados por uma situação ou acontecimento que a pessoa encara como devastadora, por exemplo:

-> Envelhecimento (os idosos têm a maior taxa de suicídios)
-> A morte de uma pessoa querida(pai, mãe, filhos)
-> Dependência de drogas ou álcool(overdose)
-> Trauma emocional(fim de relacionamentos, traição, brigas, humilhação -> pública)
-> Doença física grave(amputados, AIDS,Câncer)
-> Desemprego ou problemas financeiros(dívidas, nome sujo na praça)

Os fatores de risco para o suicídio em adolescentes incluem:

-> Acesso a armas
-> Algum membro da família que cometeu suicídio
-> Histórico de ferimentos autoinfligidos
-> Histórico de ter sofrido negligência ou abuso(abandonada pelo genitores, parentes,abusada por parente, estupro por desconhecidos)
-> Viver em comunidades onde houve surtos recentes de suicídio de jovens
-> Término de relação amorosa

O que as estatísticas não informam – que é o que os psicólogos mais querem saber - é exatamente o perfil das pessoas que estão em grupos de risco. A grande maioria dos deprimidos e pessoas sem esperança não cometem suicídio, então o que motiva alguns a fazerem isso?

Em 2005, o psicólogo Thomas Joiner, especialista em suicídio da Universidade Estadual da Flórida, cujo próprio pai cometeu suicídio, tentou responder a essa pergunta. Ao estudar estatísticas de suicídios, prestando atenção especial aos grupos com taxas acima da média, Joiner acredita ter encontrado um fio comum em que outros pesquisadores não perceberam. "Foi a primeira grande teoria do suicídio em pouco tempo", disse Nock.
Existem duas maneiras de uma pessoa que deseja morrer desenvolver a capacidade de sobrepor-se ao instinto de auto-preservação. Uma delas é treinando. Em muitos casos, uma primeira tentativa de suicídio é tímida, com cortes rasos ou uma ligeira overdose. Somente após várias tentativas que as ações são fatais.

Outra é a de se acostumar com experiências dolorosas ou assustadoras. Soldados e policiais que já foram baleados ou viram colegas feridos ou mortos, por exemplo, estão mais acostumados com a idéia da própria morte. Inclusive a taxa de suicídio em ambos os grupos estão acima da média. Da mesma forma, acontece com médicos e cirurgiões que testemunharam dor, lesões e morte, pois eles também se tornam mais capazes de ver eles mesmos nessas situações – aliás, a taxa de suicídio entre médicos é significativamente mais elevada do que entre a população em geral.


Analisando os dados acima podemos chegar a conclusão parcial que pessoas que tiram a sua própria vida, tendem primeiramente a se acostumar com a morte e a dor, presenciando o sofrimento alheio e a morte de outras pessoas. Muito comum nos dias de hoje quando todos querem ver pessoalmente uma vítima estirada no chão pelas ruas após um crime. Depois disso se acostumarem com a dor, fato comum através de tatuagens e depois cortes mais doloridos. Então uma família que acompanha o desenvolvimento de seus filhos tanto emocional e fisicamente poderão notar diferenças de comportamentos que os mesmos veem demostrando e podem evitar que cheguem a concretizar o suicídio, mas infelizmente nos dias de hoje os familiares estão se afastando de seus jovens dando liberdades demais e não participando de suas vidas, só no momento de lhes dá um NÃO.

fonte:
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/suicidio
http://www.bancodesaude.com.br/suicidio/causas-suicidio
http://www.queromorrer.com/2010/11/suicidio-conhecer-motivos-para-prevenir.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.