segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Paraíba é campeã Brasileira de Violência, aponta ONG

Maceió perde título de cidade mais violenta do Brasil, aponta ONG
Com taxa de 79,41 homicídios por 100 mil habitantes, João Pessoa ultrapassa a capital alagoana

Maceió perdeu o título de cidade mais violenta do Brasil. É o que aponta o relatório da Organização Não Governamental (ONG) mexicana Consejo Ciudadano para la Seguridad Pública y la Justicia Penal, divulgado no início desta semana, pela imprensa internacional. O cenário é referente ao ano passado. No ranking mundial, a capital alagoana caiu uma posição e, agora, é a 6ª mais insegura. João Pessoa é o grande destaque do País e, com um elevado número de mortes, superou as estatísticas de Alagoas.


De acordo com os dados divulgados pela ONG, Maceió obteve taxa de 72,91 assassinados por cada grupo de 100 mil habitantes, em 2014. A capital paraibana, por sua vez, atingiu quase 80 homicídios (mais precisamente 79,41 crimes desta natureza) por 100 mil habitantes ao longo dos últimos doze meses. Com isso, João Pessoa passou Maceió na lista nacional e subiu da 9ª para a 4ª posição no ranking das 50 cidades mais perigosas do mundo para se viver. Fortaleza também caiu uma posição (era 7ª no mundo e passou para 8ª). Em 2014, a capital cearense tem taxa de taxa de 66,55 assassinatos.


Das 50 cidades mais violentas do mundo, 19 estão localizadas no Brasil, sendo 10 delas no Nordeste. Além de João Pessoa, Maceió e Fortaleza, constam na lista São Luiz (com taxa de 64,71 homicídios/100 mil habitantes), Natal (63,68), Vitória (57,00), Cuiabá (56,46), Salvador (e Região Metropolitana de Salvador – 54,31), Belém (53,06), Teresina (49,49), Goiânia (44,82), Recife (39,05), Campina Grande (37,97), Manaus (37,07), Porto Alegre (34,65), Aracaju (34,19), Belo Horizonte (33,39), Curitiba (31,48) e Macapá (28,87).


No ranking também aparecem 10 cidades do México, 5 da Colômbia, 4 na Venezuela, 4 nos Estados Unidos, 3 na África do Sul e 2 em Honduras. Há uma cidade de El Salvador, uma da Guatemala e uma da Jamaica. A grande maioria das 50 cidades mais violentas do mundo está no continente americano (47 cidades) e particularmente na América Latina (43 cidades).


Pela quarta vez consecutiva, a cidade hondurenha San Pedro Sula, situada no Norte daquele país, continua liderando o índice mundial. Ela apresentou taxa de 171,20 homicídios por grupo de 100 mil habitantes. Em 2013, estava em 187,14. Caracas (115,98), na Venezuela, e Acapulco (104,16), no México, completam o topo da relação.



Números de 2013



No fim do ano passado, a entidade do México divulgou que a capital alagoana apresentava taxa de homicídios de 80 mortes por grupo de 100 mil habitantes. Com isso, Maceió era a mais violenta do Brasil disparada, seguida de Fortaleza (que tinha taxa de 73 homicídios/100 mil habitantes e era a 7ª no ranking geral) e de João Pessoa (67 mortes por 100 mil habitantes e era 9ª no geral). Natal (58 assassinatos por 100 mil habitantes e 12ª na lista geral); seguida de Salvador (com o mesmo índice e ocupando a 13ª posição mundial).



A referida ONG é responsável pela investigação dos índices de homicídios dolosos (quando há intenção de matar) do mundo. Já a fundação City Mayors, centro de estudos dedicado a temas urbanos, analisa os dados e elabora a listagem com as 50 cidades mais violentas. Agora, a entidade constatou, com base nas taxas, que a América Latina é a mais perigosa por ter dezenas de municípios com quantidade elevada de mortes. O ranking, segundo a organização, considera municípios com pelo menos 300 mil habitantes e leva em conta o contingente populacional e número de homicídios. 



A City Mayors apontou, além do tráfico de drogas, as guerras de gangues, a instabilidade política, a corrupção e a pobreza como sendo as motivadoras da violência urbana extrema, e alertou que “moradores de cidades no Brasil, México e Colômbia estão particularmente em risco de serem apanhados em batalhas entre gangues rivais”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.