domingo, 30 de agosto de 2015

Crise na Igreja católica Paraibana. Arcebispo estaria sendo investigado pelo Vaticano.

O Arcebispo da Paraíba, Dom Aldo di Cillo Pagotto, está proibido de ordenar padres e diáconos e de receber novos seminaristas até que Vaticano finalize investigações que estão em curso. A informação foi divulgada hoje à noite no JPB 2ª edição e estampa a capa do Jornal da Paraíba deste domingo, 30.
O processo que Dom Aldo responde no Vaticano corre em sigilo. A decisão foi tomada pelo Vaticano depois da visita de um representante de Roma à capital. Dom Aldo teria perseguido padres e permitido que seminaristas expulsos de outras dioceses fossem acolhidos aqui na Paraíba. Os padres disseram ainda que o bispo se negaria, também, a discutir casos de pedofilia.
A Nunciatura Apostólica, que representa o Vaticano no Brasil, explicou que não presta informações sobre processos envolvendo bispos. A CNBB também não quis falar sobre o assunto. A assessoria de Dom Aldo negou que ele esteja suspenso e disse que Arcebispo só falará sobre o assunto depois de ler a reportagem.


Nesta mesma semana circulou na mídia que Dom Aldo teria suspendido as atividades eclesiásticas do Deputado Luiz Couto:

Deputado Luiz CoutoO deputado Federal, Padre, Luiz Couto (PT) acaba de ter suas atividades eclesiásticas suspensas pela Arquidiocese da Paraíba. Em documento enviado para a maior autoridade da Igreja Católica no país, Núncio Apostólico Dom Giovanni D`Aniello, o arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, denuncia que o parlamentar estaria, com seus posicionamentos, indo de encontro à pregação da Igreja. O Portal MaisPB teve acesso ao documento com exclusividade.
Usando matérias jornalísticas, Dom Aldo, diz ao representante de papa, que Couto tem, através de sua atividade política, defendido atos que vão de encontro a “doutrina e moral cristã”.
Fato – Um destes posicionamentos, apontado pela Arquidiocese da Paraíba foi o registro feito por Couto, na Câmara dos Deputados, do artigo elaborado pelo pastor Henrique Vieira, professor, teólogo e militante, pastor da Igreja Batista do Caminho, eleito vereador pelo PSOL, na cidade de Niterói (RJ).
No texto, o vereador se refere à Viviany Beleboni, uma modelo transexual que ficou conhecida em todo o país depois de aparecer crucificada na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.
Couto prega diálogo – Ao registrar o artigo do pastor, o deputado Luiz Couto enfatizou que o texto mostra a diferença do caminhar cristão. “O que está ligado ao comportamento de Cristo é saber diferenciar os falsos mestres e as ovelhas do Senhor. O que o vereador e cristão aponta é a necessidade do diálogo. Que muitos fundamentalistas excluem de seus dicionários. Não só aplaudo as palavras do Pastor como afirmo que nosso Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração”, disse Couto em junho.
Com a decisão, o deputado está impedido de celebrar missas e realizar outros dogmas oficiais da igreja. Uma das punições mais rigorosas aplicadas pela Igreja Católica aos seus clérigos.
MaisPB e Nordeste1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.