quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Mulher é presa traficando drogas em Cuité/PB. Enquanto era ouvida seu telefone recebia ligações de dentro da Cadeia.


Uma ação coordenada pelo delegado de polícia civil, Dr. Durval Barros, e pelo Comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar, o tenente-coronel Afonso Galvão, teve resultado positivo nesta terça-feira (25), na cidade de Cuité/PB.

As polícias Civil e Militar já investigavam um possível ponto de distribuição de tráfico de drogas próximo ao Centro de Cuité, quando teriam se deparado com uma pessoa comprando uma pedra de crack.

A partir daí, os policiais prenderam uma mulher e na sua residência foram encontradas mais de 100 pedras de crack. A mulher foi conduzida para a delegacia, onde seria lavrado o flagrante. Nesse tempo, o celular da mulher começou a tocar insistentemente e, após apurações, os profissionais de segurança desconfiaram que as ligações estivessem vindo de dentro da cela 4, onde está recolhido um homem identificado como Gordo de Lu, irmão da mulher presa.

Os policiais, juntamente com o diretor da cadeia de Cuité e agentes penitenciários, montaram uma operação surpresa na cela e acabaram localizando cerca de 50 pedras de crack, maconha, além do celular que estava sendo usado para efetuar as ligações para a mulher detida. Na operação ainda foram localizados mais três aparelhos telefônicos.

Os detentos agora respondem, além dos crimes aos quais foram presos, ao crime de tráfico de drogas e associação ao tráfico. Eles foram identificados como Branquinho, Ronielson e Rodrigo, além do Gordo de Lu.

Os quatro detentos da cadeia de Cuité agora serão transferidos para o presídio do Serrotão, em Campina Grande/PB e, como em Cuité não há detenção feminina, a mulher também seguirá para Campina. Todo o material apreendido foi levado para delegacia de polícia civil de Cuité. 

A operação envolveu um grande número de policiais Civis e Militares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.