terça-feira, 1 de dezembro de 2015

MP abre processo contra promotor suspeito de atirar em carro de travesti

O Ministério Público da Paraíba decidiu abrir processo administrativo disciplinar contra o promotor suspeito de atirar contra uma travesti de 17 anos em João Pessoa na praia do Cabo Branco, em João Pessoa. O promotor investigado, Aluísio Cavalcanti, disse que o caso está correndo em segredo de justiça e não quis comentar a decisão do órgão.
O caso aconteceu no dia 10 de outubro e dois dias depois a Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o caso. Segundo informações registradas no Boletim de Ocorrência (BO), a adolescente foi baleada duas vezes durante uma confusão quando, conforme a própria vítima relatou à polícia, foi cobrar o pagamento de um programa.
De acordo com o corregedor-geral do órgão, Luciano Maracajá, o resultado de uma sindicância aberta para apurar a situação constatou que Aluísio foi o responsável pelos disparos. Ainda segundo Maracajá, Aluísio teria assumido que atirou, mas se defendendo de uma tentativa de assalto. O processo pode durar até 60 dias e o promotor, caso seja considerado culpado, está sujeito a uma série de penalidades.
Lembre o caso
Ainda de acordo com a polícia, a travesti ficou ferida após ser atingida por dois tiros disparados de dentro de um carro que pertence ao promotor de justiça Aluísio Cavalcanti Bezerra. No entanto, o promotor afirma que o carro envolvido na ocorrência pertence a ele, mas quem usava no momento da confusão era um motorista.

Na época do caso, Aluísio Cavalcanti disse quer estava em casa na hora em que foram registrados os disparos. Ele havia pedido ao motorista para comprar frutas. Segundo o promotor, no momento em que o motorista retornou ao carro, ele percebeu que um dos vidros estava quebrado, pegou a arma debaixo do tapete do veículo e atirou na travesti, suspeita de tentar arrombar o veículo.
A travesti afirma, no seu relato à Polícia Civil, que quebrou o vidro do carro, mas que isso aconteceu após iniciar a confusão com a pessoa que conduzia o carro devido à cobrança de um programa. O promotor Aluísio Cavalcanti Bezerra informou também que vai registrar um BO com a sua versão do ocorrido.
A adolescente baleada foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma no mesmo dia e, de acordo com a unidade médica, recebeu alta após tratar dos ferimentos. Os dois tiros atingiram os pés da travesti, deixando ferimentos leves. 
G1 PB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.