terça-feira, 30 de agosto de 2016

Bandidos aterrorizam Queimadas com fuzil .50 e polícia finalmente decide revidar ao ataque

Um homem morreu(Romilson Nunes Peixoto, de 36 anos) e um idoso de 71 anos ficou ferido durante um ataque a uma agência bancária na cidade de Queimadas, no Agreste paraibano, na noite da segunda-feira (29). Conforme as primeiras informações da Polícia Militar, o homem morto é suspeito de participação no assalto ao banco. Já o idoso é morador da cidade e foi baleado durante o tiroteio da polícia com os suspeitos. Um fuzil ponto 50 foi apreendido.
De acordo com o Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), os moradores acionaram a PM pouco antes da meia-noite. Os criminosos fizeram um cerco nas ruas das imediações do banco. Duas explosões foram ouvidas. Mais de 10 viaturas da polícia foram deslocadas para a agência bancária e houve tiroteio.
Ainda segundo informações da polícia, um dos assaltantes, que estava de colete à prova de balas, foi morto e o corpo foi abandonado pelos outros suspeitos. O idoso, que passava próximo ao local, foi atingido por um tiro no rosto e teve que ser levado para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, onde até as 6h desta terça-feira (30) passava por cirurgia. Carros da polícia foram atingidos, mas nenhum policial ficou ferido.
O corpo do suspeito foi encaminhado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Campina Grande e foi identificado. A Polícia Militar informou que após o tiroteio os criminosos fugiram por diversas estradas espalhando grampos e ninguém foi preso. Pelo menos 10 carros que passavam pelo local tiveram pneus furados.
Conforme a Polícia Militar, os caixas eletrônicos foram explodidos e um cofre foi levado, mas não há informações de quanto em dinheiro foi levado. Um fuzil ponto 50, arma de grosso calibre de uso exclusivo das Forças Armadas, e três revólveres foram encontrados e apreendidos pela polícia.

Mas quem é Romilson Nunes Peixoto?

Apontado como envolvido em uma série de delitos no Nordeste e procurado por força de mandados de prisões das justiças do Piauí e Maranhãso, Romilson Nunes Peixoto, o "Vaqueiro", que usa o nome falso de Reginaldo Nunes de Lima, prestou depoimento ontem na Secretaria de Segurança. Ele negou ter participado de assaltos, pistolagem e latrocínios em Água Branca, mas revelou detalhes sobre o tráfico de drogas, derrame de dinheiro e outros crimes naquela região. Romilson Nunes foi preso esta semana em Queimada Nova do Piauí, na região sul do Estado e recambiado para Teresina, onde foi ouvido ontem pelo delegado Francisco das Chagas dos Santos Costa, o "Bareta". ASSALTOS, LATROCÍNIO E PISTOLAGEM - Romilson Nunes negou envolvimento no latrocínio que vítimou o caminhoneiro Antonio Francisco, no assalto à agência do Banco do Nordeste e no assassinato do comerciante Renato Pereira Lima, mas contou detalhes de todos eles, fazendo acusações contra o sargento Geailson Lima Martins, na época delegado de Água Branca, atualmente preso por determinação da juiza daquela comarca. Logo após o depoimento, por medida de segurança, ele foi levado para a Casa de Custódia, no bairro Km-7, na zona sul de Teresina, onde ficará aguardando a realização de outros procedimentos policiais e da justiça. DROGA - Ao falar sobre o tráfico de drogas na região de Água Branca, Romilson Nunes relatou para o delegado que é grande o consumo de cocaína, crack, merla e maconha, citando os nomes das pessoas envolvidas, inclusive, as responsáveis pelo tráfico e por onde o produto é transportado. DINHEIRO FALSO - O mesmo procedimento foi adotado por ele em relação aos acusados de envolvimento de um derrame de dinheiro falso em Água Branca. Ele afirmou que a falsificação é feita pelo processo de lavagem e citou os nomes das pessoas que trocam as notas e quem compra, citando o valor em notas de reais verdadeiras devem ser dadas por uma determinada quantia de cédulas falsas. O delegado Bareta afirmou que irá repassar as informações para a Polícia Federal. Fonte: Diário do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao enviar sua denúncia especifique a sua cidade e Estado e conte detalhes do crime, caso contrário não podemos ajudar.

As denúncias não são publicadas, só os comentários sem denúncias.