21.6.20

PRF apreende armas de guerra sendo transportadas de Monteiro para Campina Grande/PB, a abordagem ocorreu próximo a Boa Vista/PB


A Polícia Rodoviária Federal na Paraíba prendeu dois homens e apreendeu armas de fogo, munição e coletes em abordagem a um veículo na madrugada deste domingo (21), na barreira da BR 412, km 23, próximo a Boa Vista, a 50 km de Campina Grande, no Agreste paraibano Os armamentos eram um fuzil calibre 7,62 mm, uma carabina calibre 5,56 mm, munições e dois coletes balísticos. As apreensões e prisões fazem parte da Operação Tamoio II, iniciada neste domingo em todo país, que tem por objetivo intensificar as ações de combate ao crime nas rodovias federais brasileiras.

Durante a abordagem e conforme investigações realizadas pela Polícia Federal com apoio da PRF, foi constatado que os dois veículos seguiam viagem juntos.

A equipe policial se dirigiu ao local onde o Fiat Uno havia parado e jogado algo para fora do carro para realizar buscar e localizaram um fuzil calibre 7,62 mm. Após localizar o armamento, os policiais deram voz de prisão aos dois homens e iniciaram uma busca minuciosa nos automóveis.

Durante buscas no GM Corsa, primeiro veículo abordado, os policiais perceberam que havia indícios de que o painel do carro havia sido retirado do local. Foi então localizado escondido no painel do automóvel uma carabina calibre 5,56 mm, 5 carregadores, 71 munições calibre 5,56 mm e dois coletes balísticos.

Os homens não possuíam antecedentes criminais. Ambos são paraibanos e informaram ao policiais que pegaram as armas em Monteiro e que iriam entregá-las em Campina Grande. Relataram também que apenas iriam entregar o armamento mas que não sabiam informar quem receberia o material. Apesar do prejuízo dado ao crime organizado com a apreensão dos armamentos, as investigações irão continuar para tentar localizar as pessoas que iriam receber o material e para quais ações criminosas seriam usadas.

Os homens foram detidos, conduzidos à Polícia Federal em Campina Grande e deverão responder pelo crime de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, considerado desde 2017 como crime hediondo, não sendo possível o pagamento de fiança para responder em liberdade.

17.6.20

Operação policial na cidade de Solânea/PB prende acusado de tráfico de drogas na região



Seis pessoas foram presas, e foram apreendidas substâncias entorpecentes semelhantes a maconha e crack, balanças de precisão e dinheiro durante uma operação desencadeada pela 21ª Seccional da Polícia Civil de Solânea com o apoio da 7ª Companhia de Polícia Militar, na manhã desta terça-feira (16), em Solânea, no Agreste da Paraíba.

A operação “Torre” teve o objetivo de combater a prática do tráfico de drogas e outros crimes na região de Solânea e cidades vizinhas. Segundo o delegado Diógenes Fernandes, as ações policiais aconteceram simultaneamente com a finalidade do cumprimento de oito mandados de busca e apreensão e seis de prisão preventiva nas residências de suspeitos, que são envolvidos em diversas atividades criminosas, tais como roubos, furtos, homicídios e principalmente, o tráfico de drogas, além de prender um acusado em tortura praticado contra uma mulher na região.

Participaram da operação policiais Civis das cidades de Solânea, Arara, Casserengue. Ao todo foi utilizado um contingente de 30 policiais na operação da PC e PM.

Seguindo as normas da Organização Mundial da Saúde, todos os policiais utilizaram máscaras de rosto e luvas, além de
álcool 70% para evitar a disseminação do COVID-19, além do fornecimento de máscaras para os detidos na operação.

Polícia Militar evita explosão de banco na cidade de Areia/PB e prende suspeitos e neutraliza os demais criminosos após intensa troca de tiros.

falecido na troca de tiros

veio a óbito no hospital


A Polícia Militar frustrou ataques a bancos que uma quadrilha, formada por integrantes de diversos estados, planejava cometer na madrugada desta quarta-feira (17), na cidade de Areia.

Através do trabalho integrado com a Polícia Federal, o município foi cercado pela PM e, por volta das 3h, teve início uma intensa troca de tiros, que evitou toda a ação criminosa. Seis suspeitos morreram e outros dois foram presos – um deles ferido (faleceu depois no hospital).

Na ação, foram apreendidas armas, munições, explosivos, grampos, alicates e até uma serra elétrica que os criminosos usaram para derrubar árvores nos acessos ao município, com o objetivo de impedir a resposta da polícia.

Entre o arsenal apreendido, estavam uma submetralhadora, uma pistola, dois revólveres, uma carabina e uma espingarda.

O enfrentamento à quadrilha interestadual teve a atuação de quase 40 policiais militares paraibanos do 15º Batalhão, Grupamento Tático de Ações Especiais (GATE) e Grupamento Especializado de Operações em Área de Caatinga (GEOsAC).

Um dos presos já foi apresentado na sede da Polícia Federal, em Campina Grande. O outro também será levado para lá, assim que receber alta no Hospital de Emergência e Trauma, onde está internado sob custódia policial.

Um dos mortos em Areia é filho de um vereador de Esperança conhecido como Alexandre de São Miguel

O Major Benevides, que comandou a operação que deteve um bando que invadiu a cidade de Areia para explodir os bancos do Brasil e Caixa Econômica Federal, conversou com exclusividade com o Sistema Arapuan de Comunicação, nesta quarta-feira (17) e contou detalhes da ação.

O coronel contou que todos foram ou mortos ou detidos. Durante a troca de tiros quatro foram mortos, dois ficaram em estado grave e dois baleados, que morreram ao serem socorridos. O último detido foi um homem de São Paulo, explosivista (que lida com explosivos) do exército. Ele foi encontrado dentro da mata, ferido na perna, já na manhã desta quarta.

O comandante da operação acredita que o explosivista adquiriu conhecimentos com explosivos dentro do alistamento militar e iria utilizar para atacar bancos.

O bando era composto por pessoas da Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e São Paulo.

De acordo com Benevides, a polícia da cidade recebeu informações da Polícia Federal que descobriu que na área existia pessoas que iriam cometer atentados contra o BB e Caixa de uma só vez.

“A partir daí fizemos o levantamento de locais onde tinham bancos e preparamos a operação do 15º Batalhão de Polícia Militar, Geosac, Bope e Gate. Na madrugada foram espalhados grampos, e árvores foram derrubadas em locais de acesso à cidade. Eram oito homens e houve intensa troca de tiros” disse.

De acordo com o coronel Benevides, os criminosos estavam utilizando armas longas e revólveres, além de muita munição e explosivos. Os feridos foram socorridos para o hospital de Areia, pois as saídas da cidade tinham sido fechadas pelo próprio bando.